Aviso aos navegantes:

"Aqui a casa é ventilada, o coração é quente e as vontades têm a temperatura exata para os sonhos."
Fique à vontade, leve um pouco de mim, deixe um pouco de você. Comente!

Nunca imaginei um dia... de Martha Medeiros (N) 15.5.13

Até alguns anos atrás, eu costumava dizer frases como "eu jamais vou fazer isso" ou "nem morta faço aquilo", limitando minhas possibilidades de descoberta e emoção. Não é fácil libertar-se do manual de instruções que nos auto impomos. Às vezes, leva-se uma vida inteira, e nem assim conseguimos viabilizar esse projeto. Por sorte, minha ficha caiu a tempo.
Começou quando iniciei um relacionamento com alguém completamente diferente de mim... ele, por si só, foi meu primeiro "nunca imaginei isso". Mas amor não respeita lógica, e eu, que sempre me senti confortável num mundo planejado, inaugurei a instabilidade emocional na minha vida. Prendi a respiração e dei um belo mergulho.
A partir daí, comecei a fazer coisas que nunca havia feito... Meu paladar deixou de ser monótono: comecei a provar alimentos que nunca havia provado antes. E muitas outras coisas vetadas por causa do "medo do ridículo" receberam alvará de soltura. O ridículo deixou de existir na minha vida.
Não deixei de ser eu. Apenas abri o leque, me permitindo ser um "eu" mais amplo. E sinto que é um caminho sem volta. Ainda há muitas experiências a conferir: ... andar num balão, cozinhar dignamente,me tatuar, ler livros pelo kindle, viajar de navio e mais de umas quatrocentas coisas que nunca imaginei fazer um dia, mas que já não duvido. Pois tem essa também: deixei de ser tão cética. Que a novidade sejamos (sempre)
 nós!   (Martha Medeiros)

Nenhum comentário:

Postar um comentário